domingo, 8 de dezembro de 2019

Como decorar a casa para o Natal: 10 ideias simples e originais


Das decorações tradicionais às mais contemporâneas, existem inúmeras ideias simples e originais para vestir a tua casa, de forma alegre e festiva, neste Natal. Se estás à procura daquele pequeno toque extra que está a faltar para começar a decorar a casa para o Natal, inspira-te com a nossa lista!





1 – Árvore de Natal

Sem sombra de dúvidas, a grande protagonista da época natalícia é a árvore de Natal, onde se centram grande parte das atenções antes, durante e depois da ceia e, por isso mesmo, terás de destacá-la na decoração. Grande ou pequena, artificial ou natural, verde floresta ou branca, com decorações de uma só cor ou ornamentos feitos à mão… o que importa é ter uma árvore de Natal imponente, mas sem esquecer as iluminações e a estrela no topo da árvore, que representará o espírito natalício que se vive em casa.



2 – Presépio


A exposição de um presépio na decoração de Natal é uma tradição que se prolonga há anos, mas nada impede de inovarmos, não é? Atribui um toque mais contemporâneo ao presépio: personaliza-os, cria novos artesanalmente, expõe-nos em outros contextos… Divirta-se ao inovar!



3 – Embrulhos de prendas de Natal


Grandes ou pequenas, luxuosas ou feitas em casa, é a intenção que conta… mas também a apresentação! De frente com uma prenda, embrulhada num papel fantástico com motivos de Natal e adornados por um laço em cetim, e outra num saco de papel normal ou com a publicidade da loja onde foi adquirida – qual é que escolherias? A resposta é óbvia! Embrulha as prendas de Natal de forma personalizada para expô-las de modo que despertem a curiosidade de quem será presenteado.



4 – Almofadas


Trocar as fronhas das almofadas é uma das ideias mais simples e originais para mudar a decor da casa, por isso, porque não aplicar a mesma técnica na decoração de Natal? Escolhe almofadas com padrões mais neutros – como estrelas, azevinho, flocos de neve – ou então não resista às fronhas com a imagem do Pai Natal, às suas renas e aos bonecos de neve… dá um toque natalício aos sofás, cadeirões e camas lá de casa!



5 – Velas


Independente da cor ou do tamanho, acende todas as velas que tiveres: vais elevar instantaneamente qualquer decoração de Natal, criando um ambiente aconchegante que respira espírito natalício. Se estas forem perfumadas, com um aroma reminiscente da época, melhor ainda!



6 – Jarras de doces


Escolhe 3 ou 4 jarras de vidro de diferentes tamanhos e formatos, com ou sem tampa, e enche-os com frutos secosrebuçadoschocolates e outras guloseimas de Natal. Expõe esta doce coleção sobre a lareira, a consola do hall de entrada ou na bancada da cozinha para uma decoração de Natal irresistível!



7 – Mesa de Natal


Atenção aos pormenores, pois são eles que irão tornar a mesa da ceia de Natal mais apelativa e mágica. Usa elementos decorativos, marcadores personalizados, guardanapos e lenços, toalhas com padrões elegantes e charmosos… Ah! Sabes aquele lindo e sofisticado serviço de mesa que utilizas apenas em momentos especiais? Chegou a hora de usá-los, mas de forma mais ousada, como por exemplo, combiná-los com o uso de outras cores além do verde e vermelho.



8 – Centros de mesa


Uma das decorações mais populares na época natalícia são os centros de mesa e não estamos a falar apenas daqueles que enfeitam a mesa de jantar na noite da ceia. Existe uma enorme variedade de matérias-primas para elaborar simples e originais centros de mesa de Natal, que não vão querer esperar até ao dia 24 de Dezembro para serem exibidos! Aproveita os ornamentos que não colocaste na árvore e as velas, adiciona alguns ramos de pinheiro, pinhas, paus de canela, entre outros elementos e dá um toque natalício à mesa da sala, ao espaço sobre a lareira, à mesa da cozinha, à mesa da sala de jantar, à mesa do hall de entrada…



9 – Coroa de Natal


Tradicionalmente em forma de círculo – que significa eternidade – o costume de pendurar as coroas de Natal na porta de entrada da casa está relacionado com a crença de que este símbolo trará sorte e alegria no novo ano. Isso significa que são indispensáveis numa decoração de Natal! Para além de pendurar uma coroa na porta de entrada, pendura também nas portas dos quartos, nas escadas, janelas, lareiras… em diferentes lugares!



10 – Decoração de Natal por toda a casa


Há quem prefira concentrar a decoração de Natal num único espaço da casa, normalmente a sala de jantar ou de estar, mas também há quem goste de enfeitar a casa toda. Se tu és uma dessas pessoas, adiciona pequenos apontamentos natalícios em qualquer divisão: na casa de banho ou na cozinha, com têxteis-lar natalícios ou apenas nas cores tradicionais vermelho e verde, ímanes ou peças decorativas alusivas ao Natal, por exemplo.


sexta-feira, 29 de novembro de 2019

Quartos de bebé: uma mão cheia de inspiração para criar um mundo de sonho!


A chegada de um bebé altera por completo a rotina numa casa. Os dias são mais ocupados, mas também mais felizes. Uma das partes mais apaixonantes é decorar o quarto do bebé. Em inglês, esta fase é conhecida como “nesting” que se pode traduzir por “preparar o ninho”. 

Embora os bebés permaneçam no quarto dos pais durante os primeiros meses de vida, não se pode dispensar um quarto para eles com tudo o que isso implica. Decorar um quarto de bebé deve ser uma tarefa pensada ao pormenor, pelos cuidados constantes de que ele precisa. Os móveis, as cores e a iluminação são elementos a considerar. Para além disso, e acima de tudo, deve ser aconchegante e funcional. 

Vamos deixar-lhe algumas sugestões para decorar o quarto do seu bebé. Tome nota!

1. Berço

berço é, por norma, o primeiro móvel a comprar e a peça central de um quarto de bebé. É lá que o bebé vai começar e acabar o dia e, se tudo correr bem, dormir umas sestas pelo meio.

Independentemente do estilo do berço, é fundamental que se tenha em conta a segurança do bebé. Sugerimos que procure um berço cujas partes laterais sejam amovíveis e ajustáveis. Estes berços oferecem uma maior comodidade aos pais e garantem a segurança do bebé. Se herdar um berço antigo, certifique-se de que a estrutura vai ao encontro dos princípios de segurança basilares. Hoje em dia, muitas marcas fabricam berços com materiais sustentáveis e tintas atóxicas, o que é uma mais-valia.

Procure, também, um colchão confortável com uma protecção impermeável e lençóis macios.

2. Cómodas, roupeiros e trocadores


Depois de escolhido o berço, pode começar a procurar uma cómoda para guardar a roupa do bebé, assim como um roupeiro, caso o quarto não tenha um embutido. Aconselhamo-lo a comprar divisórias para as gavetas, para manter tudo organizado. A linha SKUBB da IKEA é ideal para o efeito.

Para mudar as fraldas, é fundamental ter um trocador. Os trocadores têm prateleiras onde pode colocar os produtos de higiene, as fraldas, os toalhetes, as roupas que queira ter mais à mão, entre outras coisas. Actualmente, existem os trocadores anatómicos que proporcionam mais conforto ao bebé. Muitas vezes, o trocador de fraldas vem na mesma estrutura da cómoda ou do berço. Estes móveis polivalentes são práticos e ocupam menos espaço.

3. Cores, papéis de parede e iluminação


Um quarto de bebé deve ter um ambiente calmo e relaxante. Para isso, são fundamentais a paleta cromática e a iluminação.

No que toca às cores, diríamos que os tons neutros e pastel são os mais populares devido à serenidade que transmitem. Nos dias que correm, as pessoas já não se prendem tanto ao cliché de escolher o azul para meninos e o cor-de-rosa para meninas. Pode fazê-lo, como é óbvio, mas pode, também, explorar outros tons como, por exemplo, o bege e o cinza que são versáteis em todos os sentidos.

Outra forma de valorizar o ambiente é através de um papel de parede. Favoreça papéis de parede com padrões simples ou clássicos – como as riscas – para que não sobrecarreguem o espaço.

No que à iluminação concerne, privilegie luzes com temperatura de cor quente, em detrimento de luzes frias e brancas. As luzes alaranjadas e difusas são as mais adequadas para criar um ambiente de paz. Complemente o candeeiro de tecto com candeeiros de pé e de mesa e aposte num regulador de intensidade (dimmer).

4. Um quarto montessoriano


Método Montessori é-lhe familiar? Olhe que tem dado que falar nos últimos tempos! Trata-se de um método desenvolvido pela médica e pedagoga italiana Maria Montessori que se define pela importância dada à autonomia, liberdade e respeito pelo desenvolvimento natural das crianças.

Um quarto equipado e decorado segundo o método montessoriano deve ser funcional e estimular a aprendizagem da criança. Para que tal aconteça, é essencial que o ambiente seja simples, prático, que não tenha brinquedos em excesso e que os mais pequenos consigam aceder facilmente a tudo para que assim desenvolvam a sua autonomia. A ideia é criar um espaço fácil de ser explorado e que desperte a curiosidade dos mais novos, mas sem que a segurança seja comprometida.

É, também, crucial criar um espaço organizado onde os ambientes com propósitos distintos estejam bem definidos: zona para brincar, zona para ler, zona para dormir, e assim por diante. À medida que a criança cresce, vá ajustando o quarto às necessidade dela, incluindo outras áreas (de estudo, por exemplo).

Se está prestes a ter um bebé, então é possível que já lhe tenham oferecido inúmeros brinquedos. Não caia na tentação de os expor todos de uma vez. Organize-os por faixa etária e dê-os gradualmente ao seu filho.

5. Os detalhes contam


Depois de escolher o principal, debruce-se sobre os detalhes. São eles que personalizam os ambientes e que os tornam mais acolhedores. Tenha sempre em mente o mote menos é mais e escolha pormenores bonitos que não tornem o quarto demasiado pesado. As grinaldas de luz, os quadros, as casinhas de madeira na parede, as almofadas ou as bandeirolas são alguns dos elementos decorativos que podem fazer toda a diferença. Use-os com peso e medida.

6. Uma poltrona para garantir o conforto dos pais


Não se esqueça do seu próprio conforto e coloque uma poltrona no quarto do seu bebé. Vai passar muitas horas nesta divisão a brincar com ele, a embalá-lo, a adormecê-lo ou a alimentá-lo. Pode até apostar numa cadeira de baloiço para o acalmar naquelas noites mais difíceis.

7. Um decorador ou designer de interiores pode ajudá-lo


Se gostou destes projectos e acha que beneficiaria da ajuda de um decorador ou designer de interiores, escolha um que trabalhe na sua zona de residência.



domingo, 24 de novembro de 2019

Tudo sobre papel de parede – revestimento e decoração num só material


A história do papel de parede é antiga, muito antiga. Teve início na China, há mais de dois mil anos, e começou de forma modesta, feito de papel de arroz, usado provavelmente como forma de melhorar o isolamento das habitações. Mas rapidamente se perceberam as possibilidades do conceito, e os materiais tornaram-se mais resistentes, embelezados com diversas técnicas para aumentar o seu potencial decorativo.

À Europa o papel de parede chegou no século XVI, pela mão dos árabes que tinham entrado em contacto com os chineses e aprendido a técnica de produção com eles. Rapidamente a sua utilização se disseminou, sobretudo entre as camadas mas abastadas da população, e os padrões chineses foram progressivamente substituídos por motivos ao gosto europeu.

De lá para cá muito evoluiu neste tipo de revestimento, sobretudo na metodologia de produção que se massificou. A sua utilização tem tido altos e baixos. No passado recente houve um período em que a utilização de papel de parede foi pouco expressiva, mas esse cenário mudou nos últimos tempos.

Actualmente o papel de parede é uma excelente opção de decoração, cheia de possibilidades e escolhas inovadoras, perfeito para quem gosta de decorações rápidas, fáceis e bem personalizadas.

Hoje na homify fala-se de papel de parede. Se gosta deste revestimento magnífico não pode perder!


Vantagens e desvantagens do papel de parede


Apesar do maravilhoso efeito que se pode obter com a aplicação de um simples papel de parede, a sua utilização pode trazer alguns contras, que se prendem especialmente com a humidade ambiente. É como tudo na vida, o papel de parede tem vantagens e desvantagens. Vamos conhecê-las:



Vantagens

·         Facilidade e rapidez de aplicação – poderá não ser assim para toda a gente, mas, com alguma experiência e jeito, a colocação de papel de parede é bastante rápida, simples e limpa. Se não sente confiança na sua capacidade para o fazer, aconselhamos a que contrate um dos nossos profissionais para ficar descansado.

·         Disfarça pequenas imperfeições na parede – não é válido para todas as imperfeições, pois defeitos maiores vão notar-se, mas pequenos buracos tapados ou rachaduras superficiais desaparecem sem necessidade de grandes obras de reparação.

·         Tem boa durabilidade com baixa manutenção – provavelmente saberá que o papel de parede de boa qualidade tem uma excelente durabilidade, podendo durar inclusivamente mais do que a pintura, que tem de ser renovada a cada cinco anos, em média.

·         Laváveis – esta é uma vantagem que se obtém escolhendo o papel de parede certo. Actualmente a maior parte destes revestimentos é lavável (com um pano húmido), para permitir um cuidado mais fácil e uma maior durabilidade.

·         Torna os espaços mais acolhedores – apesar de não ser a sua principal função, o papel de parede proporciona algum isolamento, o que acaba por tornar os ambientes mais acolhedores.

·         Torna os espaços mais modernos – a facilidade de aplicação e remoção facilita a manutenção dos espaços nas últimas tendências da moda em padrões e cores.



Desvantagens

·         A remoção pode não ser tão fácil como antecipámos – apesar de não ser uma ciência complicada, a remoção do papel de parede pode implicar bastante trabalho, ferramentas apropriadas e produtos especializados. Também não é aconselhável colocar o novo papel de parede sobre o anterior.

·         Pode ficar bastante caro – há muitos papéis de parede à venda no mercado, por isso esta desvantagem pode não acontecer consigo, mas os produtos mais exclusivos e sofisticados podem ter preços realmente proibitivos.

·         Fragilidade face à humidade – a maior parte dos papéis de parede são frágeis à forte humidade e não devem ser instalados em áreas como casas de banho ou cozinhas. Felizmente actualmente há vários materiais com acabamento semelhante ao papel de parede, de que falaremos adiante, que já resistem bem à humidade, ajudando a ultrapassar esta limitação.

Os materiais


Há muito que o papel de parede deixou de ser apenas papel! Nos nossos dias este revestimento apresenta-se fabricado em vários materiais, cada um com características diferentes, alguns efectivamente resistentes à humidade. Vamos conhecê-los:

1.       Papel de parede em tecido – este papel de parede é na realidade fabricado em tecido não tecido: uma mistura de fibras de celulose e têxtil que proporciona um acabamento com uma textura semelhante à do tecido. Este material permite que o papel de parede seja lavável com pano ou esponja macia molhada e detergente neutro, sem esfregar, e passível de aplicação em ambiente húmidos. A sua característica mais marcante é que pode ser reutilizado se for removido por inteiro com muito cuidado.

2.       Papel de parede em vinil - este material tem uma base de celulose que é impressa em tinta vinílica e finalizada com uma camada de PVC. O vinil parede, como por vezes é chamado, é o mais resistente dos materiais de papel de parede (que acaba por ter pouco de papel). Pode ser lavado com esponja humedecida e detergente e é muito resistente à humidade, ao calor e à luz solar. Também é um material ecológico, que pode ser reciclado, e é muito fácil de remover. Têm textura e são ligeiramente mais grossos do que os outros papéis de parede. Por todas estas vantagens, o vinil parede é o papel de parede mais indicado para áreas muito húmidas como cozinhas e casas de banho, sobretudo em zonas próximas à janela.

3.       Papel de parede vinilizado – difere do vinil parede por não possuir o acabamento em PVC sobre a impressão, tornando-se mais frágil. Não possui textura, mas é mais fino e pode ficar mais barato, sendo uma hipótese muito boa para um hall de entrada ou como papel de parede para sala.

4.       Papel de parede adesivo – os autocolantes ou murais de parede podem não ser considerados como papel de parede, mas o seu princípio é o mesmo. Este revestimento é fabricado em vinil com aplicação de uma camada de cola na face de contacto. Este material sintético tem uma textura plástica devido ao PVC, apresentando características tanto do papel de parede vinílico como do vinilizado.

Como colocar papel de parede


Os métodos de aplicação dos papéis de parede variam com diferentes materiais, mas acabam por ser semelhantes em alguns pontos, com uma metodologia aproximada à que lhe descrevemos aqui.



Materiais:

·         Tesoura e X-acto;

·         Lâmina de revestimento;

·         Esponja, trincha grande, rolo de juntas;

·         Régua de dois metros e fita métrica;

·         Nível de prumo;

·         Cola e balde para a cola;

·         Escadote.



Procedimento

·         Prepare as superfícies, garantindo que estão completamente limpas e sem imperfeições com relevo. Repare os danos mais profundos e lixe as superfícies de forma a que fiquem sem protuberâncias;

·         Meça bem a área onde será aplicado o papel de parede para poder cortar o material nas dimensões necessárias. Deixe cerca de 10 cm na parte de cima e de baixo para ter uma margem de erro;

·         Se o papel de parede não tiver autocolante deve misturar a cola em pó com a água num balde seguindo as instruções da embalagem da cola.

·         Aplique a cola com abundância do centro do papel para as extremidades com o rolo;

·         Comece a aplicar a partir do tecto, colocando a ponta do papel de parede no canto e partindo daí ara baixo;

·         Usar um pano seco vai auxiliar o processo de colagem e evitar que se formem bolhas no decorrer do processo.

·         Cole cuidadosamente até ao chão, verificando o posicionamento;

·         Repita o processo com o restante papel até preencher a área totalmente;

·         Se formar bolhas de ar deve furá-las com um alfinete e passar a espátula na área até desaparecer;

·         Passe o pano seco por cima para verificar a inexistência de imperfeições;

·         Use a espátula para demarcar bem o início e fim do papel de parede e corte o excesso do papel com o X-acto.

·         Puxe o excesso com cuidado.


O papel de parede certo para cada espaço


A escolha do papel de parede certo irá fazer toda a diferença no sucesso do seu projecto de design de interiores.

Para a cozinha deve sempre escolher vinil, mas no que respeita à temática as opções são vastas. Há papel de parede que imita muito bem azulejos, ou com dizeres interessantes que vão dar um ar descontraído e moderno à sua cozinha.

O papel de parede para sala deve ser mais refinado e elegante, com motivos geométricos e florais. As riscas também funcionam muito bem para estes espaços, sobretudo em tons neutros. Este princípio pode ser também utilizado no papel de parede para quarto.

O papel de parede infantil deve ser divertido, alegre e luminoso. Pode combinar padrões diferentes, desenhos e bonecos, com paredes lisas para maior leveza.

Onde comprar papel de parede


As lojas de decoração continuam a ser locais privilegiados para comprar papel de parede, mas a internet tem vindo a tornar-se um espaço de pesquisa onde pode encontrar um pouco de tudo sem esforço. Há literalmente milhares de sites onde pode encomendar o papel de parede dos seus sonhos, mas é preciso ter algum cuidado com as características dos materiais e com a possibilidade de devolução uma vez que não terá oportunidade de confirmar a imagem real com amostras, como nas lojas físicas. Os designers de interiores e decoradores têm acesso aos melhores fornecedores e conhecem bem os produtos, podendo ser uma mais-valia de grande peso, tanto na escolha como na encomenda.